Juliano Farias
Executivo de growth
x
Olá, tudo bem? Obrigado pela visita! Como podemos ajudar?
Conversar com Juliano

Influenciadores digitais, personagens e publicidade: o que a “PPK da Claudia” nos ensina nas campanhas

Uma pesquisa do IAB Brasil em parceria com a Offerwise, constatou que 92% dos brasileiros seguem dicas e conselhos de influenciadores digitais e criadores de conteúdo nas redes sociais. E este percentual está relacionado a insights no que diz respeito a compras: no mesmo estudo, 58% dizem que as publis são interessantes e 82% já consumiram algum produto ou serviço indicado por uma personalidade das mídias.

Qual é a conclusão que tiramos de tudo isso? Uma delas é que o marketing de influência precisa estar na mira das marcas e empresas. Porém, minha reflexão aqui vai um pouco além com esta questão: o que dizer quando uma companhia (gigante do mercado, obviamente, pois não é uma campanha que requer poucos esforços e nem um budget baixo) cria um personagem para se tornar influenciador?

Foi esse o objetivo da Gillette Vênus com a criação da “PPK da Claudia”, uma personagem concebida pela marca para ser embaixadora e influenciadora digital dos produtos, além de espalhar informação por aí com o mote “Eu me depilo pra isso”. É isso mesmo, um recurso que antes estava sob o poder somente de conglomerados gigantescos de comunicação e filmes, por exemplo, agora pode ser utilizado por qualquer um que consiga atingir um número de pessoas: a influência.

E digo mais, as marcas, como a Gillette e tantas outras, estão enxergando esses canais (as redes sociais, de maneira geral) como forma de se aproximar do consumidor, mantendo uma relação mais leve e humanizada. Veja, temos influenciadores que nem são pessoas: são avatares, personagens, bonecos, pets, etc. Para se ter uma ideia do sucesso da campanha, o Instagram criado para a embaixadora (@ppkdaclaudia) já tem cerca de 50 mil seguidores, segue várias “Cláudias” e mais do que cumpriu o
papel: a ação foi notícia em diversos jornais, sites e portais.

*Se você quer saber todos os detalhes da criação da publicidade, clique aqui.


Obviamente a apresentação da personagem dividiu opiniões nas redes sociais, mas com certeza a empresa estava preparada para isso e, neste caso, ouso dizer que muito mais ganhou do que perdeu. O burburinho causado levantou críticas e elogios, mas acima de tudo trouxe mais do que a visibilidade esperada: levou a campanha a aparecer de forma orgânica e não paga nos portais de notícias (isso acaba sendo o resultado de um bom planejamento e execução de assessoria de imprensa, saiba mais clicando neste link) - o que é algo extremamente valioso.

Este trabalho de fazer o cliente virar referência geralmente é feito pela assessoria de imprensa (méritos da Gillette também, além de palmas para a equipe que criou a PPK da Claudia). Tornar uma marca fonte de informação na área em que atua é uma construção que, na maioria dos casos, não acontece do dia para a noite. Por isso, quando uma campanha publicitária consegue esse feito ela se torna 100 vezes mais efetiva.

Então a minha marca precisa de um personagem, avatar ou embaixador?

Não necessariamente. Toda e qualquer ação precisa fazer parte de uma estratégia. Precisamos lembrar que a Gillette é uma companhia gigantesca e todo o material, além de ter sido pensado, criado e executado por uma equipe multidisciplinar de marketing, foi validado por uma consultoria externa. Ou seja, qualquer ação que pode gerar um buzz na internet pode sim ser um tiro pela culatra, principalmente se sua marca não está preparada para lidar com comentários negativos ou uma possível crise.

Para muito adiante do resultado, outros pontos precisam ser analisados antes da estratégia ser executada. Entre eles: público, persona, seleção de porta-vozes, criação, possíveis impactos no público, criação de comitê de gestão de crise e muitos outros. Por isso, não são todas as marcas que estão preparadas para criar uma embaixadora chamada PPK da Claudia (ou qualquer similar), com o formato do órgão genital feminino, que é criadora de conteúdo e divide opiniões polêmicas.

Podemos e devemos aqui também fazer um adendo: não são todas as empresas que precisam de uma ação assim. Existem perfis distintos, serviços únicos, personas diferentes, trabalhos mais sóbrios, produtos nos quais uma ação dessa jamais caberia, etc. 

Se a sua intenção é alavancar o negócio da sua empresa de maneira assertiva, fale com uma equipe de profissionais multidisciplinares e especialistas. Entre em contato conosco pelo link

AUTOR DO TEXTO:
Rick Garcia
Sócio-diretor | Publicitário
Em sua carreira atendeu empresas reconhecidas internacionalmente, destacando entre elas a RPC (afiliada Globo), Fundação Banco do Brasil, Claro, Oi, Cyrela, THÁ, Jandira Alimentos, Chef Vergé e Bem Me Quer.

Cadastre-se ao lado em nossa newsletter e receba conteúdos para que o seu negócio vire referência no mercado

QUER UMA PROPOSTA?
Home